Evidência Empírica sobre Empresas Inovadoras

IMG 46

Muito se tem falado nos dias atuais sobre inovação e sobre empresas inovadoras.  Mas afinal, qual é, de fato, a evidência que se tem sobre a estrutura e a dinâmica das empresas inovadoras?  Para uma resposta a esta questão nada melhor do que um bom artigo internacionalmente reconhecido, e, particularmente, quando publicado em uma revista de classe mundial.

O artigo em questão se intitula Innovating Firms and Aggregate Innovation (Empresas Inovadoras e Inovação Agregada), produzido pelos economistas Tor Jakob Klette (falecido em agosto de 2003, e que foi da University of Oslo e do Centre for Economic Policy Research) e Samuel Kortum (da University of Minnesota, do Federal Reserve Bank of Minneapolis, e do National Bureau of Economic Research, nos EUA), e publicado no Journal of Political Economy, 2004, vol. 112, no. 5.

O trabalho desenvolve um modelo de inovação para confrontar a evidência ao nível da empresa.  O modelo captura a dinâmica de empresas heterogêneas, descreve o comportamento de uma indústria com entrada e saída de empresa, e apresenta um modelo de equilíbrio de mudança tecnológica.

Mas o que mais diz respeito aos fins desta newsletter, é o que os autores apresentam como sendo a evidência empírica sobre as empresas inovadoras.  Ou seja, eles apontam uma lista de regularidades empíricas, ou fatos estilizados (um fato estilizado é uma aproximação teórica de um fenômeno observado empiricamente) que têm emergido de um grande número de estudos usando dados ao nível de empresas.  Estes fatos são aqui apresentados em três blocos de questões, a saber:

a) Qual é a relação entre as atividades de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) e a inovação resultante?

Um grande número de estudos documentou uma significativa relação positiva entre produtividade e P&D, mas a relação é robusta somente na dimensão de cruzamento de empresas.  Quanto ao nível de patenteamento da empresa e seu P&D, a relação positiva é muito robusta em ambas as dimensões.  Os fatos estilizados são:

i- Fato Estilizado 1: A produtividade e o P&D entre empresas são positivamente relacionados, enquanto o crescimento da produtividade não é fortemente relacionado ao P&D da empresa;

ii- Fato Estilizado 2:  Patentes e P&D são positivamente relacionados ao longo das empresas em um ponto no tempo e ao longo do tempo para dadas empresas.

b) Qual é a evidência empírica sobre os padrões de investimento em P&D?

Há uma grande literatura estudando se as grandes empresas são mais intensivas em P&D (i.e., devotam uma alta fração de receitas para P&D) que as empresas pequenas.  Pelo menos entre as empresas que reportam P&D, a evidência sugere que P&D aumentam em proporção com as vendas.  De toda forma, muitas empresas não reportam qualquer atividade de P&D mesmo em indústrias de alta tecnologia, e a intensidade de P&D varia substantivamente entre empresas mesmo no interior de indústrias estreitamente definidas.  Os fatos estilizados são:

i- Fato Estilizado 3: A intensidade de P&D é independente do tamanho da empresa;

ii- Fato Estilizado 4: A distribuição da intensidade de P&D é altamente oblíqua, e uma considerável fração das empresas reportam zero P&D;

iii- Fato Estilizado 5: Diferenças em intensidade de P&D entre empresas são altamente persistentes;

iv- Fato Estilizado 6: O investimento em P&D da empresa segue essencialmente um caminho aleatório.

c) O que se pode dizer sobre a entrada, a saída, e a distribuição dos tamanhos das empresas?

Os fatos estilizados relacionados com esta questão são:

i- Fato Estilizado 7: A distribuição do tamanho das empresas é altamente oblíqua;

ii- Fato Estilizado 8: Pequenas empresas têm uma probabilidade menor de sobrevivência, mas aquelas que sobrevivem tendem a crescer mais rápido do que as grandes empresas.  Entre as grandes empresas, as taxas de crescimento não são relacionadas com o crescimento passado ou com o tamanho da empresa;

iii- Fato Estilizado 9: A variância das taxas de crescimento é maior para as empresas pequenas;

iv- Fato Estilizado 10: Empresas jovens têm uma probabilidade maior de sair, mas aquelas que sobrevivem tendem a crescer mais rápido do que as empresas mais antigas.  A fatia de mercado de um grupo de empresas entrantes geralmente declina à medida que o tempo passa.

Se sua empresa, organização ou instituição deseja saber mais sobre o comportamento de empresas inovadoras, fique a vontade para nos contatar!

Creativante 2017 - Todos os direitos reservados