O Brasil não é para startups, ainda!

25 12

O Brasil não é para principiantes” é uma frase que é atribuída ao poeta e compositor Antonio Carlos Jobim – Tom Jobim, e que remete (pelo menos no sentido “academicamente” aceito) ao sentido de que o país é repleto de complexidades que podem revelar armadilhas para os neófitos (ou estrangeiros desavisados), e que, por esta razão, não tolera análises simplistas.

Ao se penetrar nesta abordagem, quase que imediatamente somos levados a discutir a antropologia e a sociologia nacionais, e, sendo assim, a tratarmos particularmente dos trabalhos do antropólogo Roberto da Matta, autor de clássicos como “Carnavais, Malandros e Heróis: Para uma Sociologia do Dilema Brasileiro”, editado pela primeira vez em 1979, e “O que faz o brasil, Brasil?”, editado em 1984, dentre outros.

No primeiro livro, o autor se valeu de aspectos da cultura brasileira, como festas populares, religiosas, procissões, desfiles, paradas militares, para analisar a nossa sociedade. Adicionalmente, abordou aspectos recorrentes, como o famoso “jeitinho brasileiro” e a personalização das relações sociais – caracterizada, entre outros fatores, pela expressão “você sabe com quem está falando?”. No segundo, e como resposta ao título do livro, o autor afirma que a explicação é justamente aquilo que faz com que nos reconheçamos como brasileiros nos mínimos e mais variados gestos.Múltiplo e rico, o Brasil é o país do carnaval e do feijão com arroz: da mistura e da fantasia. Mas também do jeitinho que dribla a lei e da hierarquia velada pela cordialidade. Somos brasileiros na devoção e no sincretismo, no culto à ordem e na malandragem, no trabalho duro e na preguiça.

E por que estamos trazendo esta abordagem para tratar de startups (e, especificamente da área de TICs)? Em primeiro lugar, o termo “startups” é uma denominação, em inglês, do termo “principiantes”! Logo, se utilizássemos a frase de Tom Jobim, o Brasil não seria para “startupers”! Mas o que pretendemos argumentar usando tanto a antropologia de Roberto da Matta quanto uma abordagem econômica, é que nós estamos talvez errando ao importar mais uma vez certos conceitos estrangeiros sem levar em consideração as nuances da nossa cultura, ou as mediações necessárias para adaptação à nossa cultura.

Um destes conceitos é aquele novo conceito de Steve Blank (guru internacional na área de empreendedorismo) do porque as “startups” existem. Segundo ele, “uma startup é uma organização formada para buscar um modelo de negócios repetível e escalável”. No Brasil tem havido uma verdadeira febre de cursos de empreendedorismo, de gestão de incubadoras, de parques tecnológicos, de gestão de inovação onde este conceito é propagado; além do mais, esta febre passou a contaminar as discussões inter e intrainvestidores de toda ordem (dos chamados “anjos” até os mais especializados, como as empresas de private equity- participação).

O que pretendemos argumentar é que nos faltou adicionar ao conceito do Steve Blank o seguinte termo: “uma organização formada, num adequado ambiente de negócios, para buscar um modelo de negócios repetível e escalável”. Ou seja, o que talvez explique o fato de que lá nos EUA (marcadamente no Vale do Silício) as startups encontrem modelos repetíveis e escaláveis em nível internacional e aqui no Brasil ainda não, deve-se, em princípio, à falta de um “adequado ambiente de negócios”.

Sem avançarmos nesta questão do “ambiente (ou falta dele) de negócios no Brasil” (tarefa de alguma forma tratada pelo Prof. Silvio Meira em um dos seus posts sobre educação empreendedora), pretendemos avançar aqui a hipótese de que as startups (marcadamente as de tecnologia) no Brasil deveriam se voltar mais para a definição da natureza das empresas do Prof. Ronald Coase (Prêmio Nobel de Economia de 1991), hoje amplamente aceita no cenário internacional.

Ronald Coase, particularmente seu texto de 1937, “The Nature of the Firm” (A Natureza das Empresas), onde ele procurou dar uma explicação inovadora das razões para o surgimento das empresas, brilhantemente nos trouxe a ideia de que há substantivos custos de transação associados com a condução do sistema econômico, e que o tamanho destes custos de transações pode variar tanto em transações no mercado quanto naquelas intra-empresas. Segundo ele, as empresas emergem quando certas transações podem ser conduzidas com menos custos de transação no interior da empresa do que pelo mecanismo de mercado (*).

Como o Brasil “é o país dos custos de transação” (ver discussão recente do economista no blog Mansueto de Almeida), nossas startups deveriam estar antenadas em como vencer os brutais custos de transação que a economia e a sociedade brasileiras estão vivenciando no dia a dia, e não partirem cegamente à busca de modelos de negócios repetíveis e escaláveis simplesmente inatingíveis porque desconsideram estes custos.

Logo, somos levados a chegar à conclusão (para alguns triste, mas para outros talvez não!) de que o Brasil não é para principiantes (ou para startups), ainda!

Se sua empresa, organização ou instituição deseja saber mais sobre mitigação de custos de transação, fique a vontade para nos contatar!

 

(*) Costumamos dar como exemplo de sucesso de mitigação de custos de transação a emergência do Google, que reduziu a “praticamente zero” o custo de buscar informação no mundo (quem se lembra do mundo antes do Google?)!Algo totalmente compatível com sua expressa missão: “Google's mission is to organize the world's information and make it universally accessible and useful.

Creativante 2017 - Todos os direitos reservados