A “Trindade Essencial” = Ecossistema + Plataforma + Arquitetura

20 12

Como é possível explicar o sucesso de um segmento (cluster, complexo ou arranjo produtivo ou qualquer outro conceito que represente um conjunto) de tecnologia de um país? Existem algumas tentativas nesta direção; no entanto, o desafio de explicar porque não existem mais “Vales do Silício” no mundo ainda é uma tarefa em aberto.

Sem termos a pretensão de apresentar uma resposta definitiva, gostaríamos de contribuir para este debate sugerindo um conceito relacionado com a área de alta tecnologia, e, particularmente, observando estruturas e dinâmicas econômicas tais como as do Vale do Silício, nos EUA. Este conceito é o de “Trindade Essencial”.

Em nossa opinião, para que um segmento de alta tecnologia tenha sucesso, não basta apenas ter um “ecossistema” de empresas e organizações associadas; o essencial é que esse ecossistema esteja voltado a produzir “plataformas” (de preferência globais) de geração de produtos, processos e serviços, e que estas definam sólidas “arquiteturas de indústrias”, tal como faz os EUA, e, de modo particular, o Vale do Silício. Esta é a base do conceito de “Trindade Essencial”.

E o que significam estes três conceitos combinados? Observação das complexas indústrias de alta tecnologia dos dias atuais trouxe para a linha de frente das literaturas econômica e de negócios a ideia de que em muitos casos, as indústrias podem ser melhor analisadas como redes de empresas interconectadas ou “ecossistemas industriais”, de modo que se tente capturar a multi-dimensionalidade e a complexidade dos relacionamentos entre as empresas”.

As “plataformas industriais” são blocos de construção tecnológicos que agem como uma fundação na qual uma série de empresas, organizadas em um conjunto de empresas interdependentes, desenvolvem um conjunto inter-relacionado de produtos, tecnologias e serviços.

Já a “arquitetura de indústria” focaliza nos modos em que as atividades ao longo da cadeia de valor são divididas entre os participantes da indústria, prestando atenção particular aos papéis da empresa, interdependências, e modos em que as organizações tentam conformar a divisão do trabalho na indústria. Ou seja, define os modos como regras e papéis são distribuídos entre as empresas que interagem”.

O smartphone (que simboliza a mais recente convergência tecnológica e organizacional da telefonia móvel, dos serviços da Internet, e os artefatos de computação pessoal) é hoje o artefato tecnológico que melhor incorpora o sentido da nossa “Trindade Essencial”. A natureza deste artefato, e suas indústria e serviços associados, prestam-se como uma luva para a análise na perspectiva de uma plataforma tecnológica. O controle da plataforma é uma variável chave para o sucesso nas indústrias de TICs, e o vencedor de competições tecnológicas é frequentemente quem tem a melhor estratégia de plataforma e o melhor ecossistema que lhe dê suporte.

Isto acontece porque a plataforma não é puramente uma tecnologia, mas também o resultado de um conjunto de comportamentos e relacionamentos entre atores em um ecossistema. Além disto, há que existir modos em que os papéis destes atores sejam distribuídos entre as empresas que interagem. Logo, uma arquitetura de indústria define tanto a divisão de trabalho entre as empresas quanto a divisão do excedente nas indústrias, e provê o template tanto para “quem faz o que” quanto para “quem detém o que”.

Há muito mais coisas a serem explicitadas acerca da definição da estrutura e da dinâmica da “Trindade Essencial”; por ora, fica aqui nossa contribuição inicial de que para pensarmos em sucesso global, temos que começar a pensar urgentemente em não somente termos ecossistemas de empresas, mas também que estes produzam plataformas assentadas em arquiteturas solidamente organizadas!

Se sua empresa, organização ou instituição deseja saber mais sobre a “Trindade Essencial”, fique a vontade para nos contatar!

Creativante 2017 - Todos os direitos reservados