Além da Euforia: a “Teoria da Metade Vazia do Copo” da Economia Brasileira

17 12

Em alguns momentos de nossas vidas vivemos tempos bons e também tempos difíceis. No Brasil recente (dos anos 80 para cá), vivenciamos tempos bem difíceis e, mais recentemente, tempos “menos difíceis”. Acontece que em determinados momentos tomamos decisões que parecem ter uma determinada racionalidade, mas quando as circunstâncias se alteram, ou quando se nos apresenta uma “melhor fotografia” de nossa realidade, concluímos que não fomos tão racionais quanto pensávamos!

Este é o sentimento que se tem quando esta “melhor fotografia” se apresenta em forma de livro. E o livro que pretendemos resenhar muito brevemente neste espaço se intitulada "Além da Euforia: Riscos e lacunas do modelo brasileiro de desenvolvimento”, lançado recentemente pelos economistas Fabio Giambiagi e Armando Castelar, editado pela Campus/Elsevier.

Reproduzindo a “orelha” do livro, produzida pela jornalista Cláudia Safatle, do jornal Valor Econômico, podemos visualizar o contexto do livro: “As grandes mudanças na economia brasileira ocorreram em momentos de crise. Foi quando os governos tiveram que abandonar a inércia em favor da racionalidade, ainda que às custas de danos à sua popularidade. Parece contrário à natureza humana dedicar-se à solução de problemas quando se vivem tempos de bonança. Dos anos 1980 para cá foram tantas as crises – a superinflação, o desemprego, os colapsos do Balanço de pagamentos, a moratória da dívida externa- que soa legítimo desfrutar de um período tão singular da história econômica do país como o atual. A sensação de bem-estar ofusca, porém, a percepção de que nem tudo está pronto para o país ter crescimento sustentável por muitos anos. Neste livro, o leitor poderá avaliar os problemas ainda presentes que precisam ser resolvidos para que o desenvolvimento nos últimos anos não seja uma mera euforia, mas um processo duradouro de encontro com o futuro”.

Este livro é, na realidade, uma síntese da experiência acumulada pelos autores em vários anos de intensa e competente participação no debate econômico nacional. Não se trata apenas de um livro de momento. Os autores mostram uma visão diferente da oficial para a expansão do Brasil na primeira década deste século; em especial, sobre suas origens, sua sustentabilidade, os perigos que sua natureza engendra para o futuro e as conclusões que daí se podem extrair para o desenho da política econômica.

Trata-se, desta maneira, de uma espécie de “Teoria da Metade Vazia do Copo” da Economia Brasileira. Seu objetivo é mostrar que, por trás de indicadores aparentemente exuberantes, há alguns sinais preocupantes, que deveriam merecer maior atenção das autoridades e do país.

São 11 (onze) os capítulos que compõem este oportuno livro. Depois da Introdução, o Capítulo 2, intitulado “A fantasia fiscal”, procura mostrar que o Brasil vive há três décadas numa espécie de “mundo da fantasia”, em que a economia, em geral, e o gasto público, em particular, são conduzidos como se não estivessem sujeitos a limites. O Capítulo 3, intitulado “Produtividade, essa desconhecida”, chama a atenção para o atraso do país em matéria de produtividade. O Capítulo 4, intitulado “Poupança: a velha deficiência”, mostra como a atitude do Brasil, diante da bonança externa, tem se assemelhado à de um indivíduo que gasta mais do que tem. O Capítulo 5, intitulado “Infraestrutura: nada de novo sob o céu”, esmiúça os problemas de nossa infraestrutura, chave para superação dos gargalos na intensificação do crescimento. O Capítulo 6, intitulado “Educação: de fusquinha no mundo da F1”, avalia-se a defasagem em matéria de educação. O Capítulo 7, intitulado “Balanço de pagamentos: a volta de 360° graus”, destaca as mudanças observadas na trajetória de nossas contas externas. O Capítulo 8, intitulado “Demografia: a aritmética implacável”,denuncia a negligência coletiva, que representa a falta de reação das políticas públicas diante do desafio fiscal associado ao fenômenos do envelhecimento demográfico que o país tem em perspectiva. O Capítulo 9, intitulado “Instituições: o desafio pendente”, destaca que o aprimoramento institucional é outro dos desafios pendentes do país. O Capítulo 10, intitulado “Petróleo: a “maldição da abundância fácil””, expõe os riscos associados à euforia indevida, causada pela perspectiva de exploração do pré-sal. Finalmente, o último capítulo apresenta as conclusões.

Como é possível perceber pelo enunciado dos seus capítulos, trata-se de um livro de folego, varrendo várias dimensões da economia nacional. A profundidade do que é apresentado nos levar a crer que se a sociedade brasileira não acordar logo, e “sair do seu estado de euforia”, poderá pagar muito caro, no futuro, por sua inércia.

Existem outros tópicos que poderiam ter merecido também a atenção dos autores, tais como a defasagem do Brasil em termos de inovação tecnológica, já que existe no país uma determinada “euforia” em relação aos indicadores recentes de Ciência e Tecnologia. No entanto, cremos que, pela competência dos autores, temas como este deverão ser contemplados em novos trabalhos que mostrem que a “fantasia” também se espalhou por outros segmentos da economia.

Pelo que foi aqui brevemente tratado, não hesitamos em indicar que esta é uma leitura altamente recomendável para aqueles interessados no Brasil Real!

Se sua empresa, organização ou instituição deseja saber mais sobre os problemas reais da economia brasileira, fique a vontade para nos contatar!

Creativante 2017 - Todos os direitos reservados