Como está a estrutura produtiva do Brasil?

11 12

Muito se tem lido e ouvido na mídia nacional sobre questões tais como perda de competitividade da economia nacional, desindustrialização, ênfase em commodities, déficits na balança comercial, e por aí vai. Muita opinião tem sido veiculada, mas pouco consenso pode ser observado. Afinal, quem está com a razão?

Esta newsletter, preocupada em minimizar a “taxa de ignorância” existente neste universo, resolveu contribuir com alguns ingredientes de informação que busquem dar pistas para um melhor entendimento sobre como anda a estrutura produtiva do país.

Na newsletter desta semana, vamos apresentar o Projeto PIB (Perspectivas do Investimento no Brasil), uma pesquisa coordenada pelos Institutos de Economia da UFRJ e da UNICAMP, e realizada com apoio financeiro do BNDES. O Projeto PIB (cujo site na internet é: www.projetopib.org) surgiu com uma dupla motivação. Por um lado, produzir, sistematizar e organizar conhecimentos sobre a estrutura produtiva brasileira. Por outro, pensar o longo prazo dessa estrutura e, particularmente, como promover o processo de mudança estrutural em direção aos setores mais intensivos em tecnologia, mais capazes de gerar renda e emprego no mercado doméstico e com maior dinamismo no mercado internacional.

O Projeto PIB perseguiu três grandes objetivos: analisar as perspectivas do investimento na economia brasileira no horizonte em médio e longo prazo, avaliar as oportunidades e ameaças à expansão das atividades produtivas no país e propor estratégias, diretrizes e instrumentos de política industrial que pudessem conduzir o país na longa travessia do desenvolvimento econômico.O Projeto PIB, que começou suas atividades em julho de 2008, teve o término previsto para dezembro de 2009, mas se estendeu ao longo de 2010, quando (em dezembro daquele ano) então foram divulgados os seus relatórios síntese do Projeto (os livros síntese só foram publicados em 2011; além da versão online, encontrada no site acima indicado, também foram publicados livros impressos do Projeto).

A metodologia do Projeto PIB estruturou uma economia formada por três blocos de investimento: Indústria, Infraestrutura e Economia do Conhecimento. Esses blocos de investimento foram desdobrados em um total de 12 Sistemas Produtivos, conforme mostrado no quadro à frente. Em paralelo, foram escolhidos oito Temas Transversais, igualmente listados no quadro. Segundo os autores, foram selecionados temas que, além da sua natural relevância, constituíam oportunidade para que a pesquisa pudesse suprir lacunas decorrentes da inexistência ou da desatualização da informação disponível no país.

Do ponto de vista analítico da pesquisa, os autores do Projeto PIB buscaram tratar o investimento em duas dimensões distintas. A primeira dimensão foi a do investimento chamado “induzido”, aquele que acompanha o crescimento da economia, proporcionando a resolução de gargalos de produtividade ou a expansão de capacidade produtiva. A segunda dimensão foi a dos investimentos “estratégicos”, que se movem à frente da economia. Nesta dimensão estão as decisões de inversão relacionadas com:

i- Mudanças tecnológicas nos produtos e processos;

ii- Mudanças nos padrões de concorrência, nas regulações e nas formas de organização da produção;

iii- Mudanças nos padrões de demanda mundial ou doméstica, tanto em termos de pautas de produtos quanto em termos territoriais.

Eis aí um trabalho de folego desenvolvido por várias “mãos” (ou “cérebros”). A partir dos principais livros (que são quatro: 1- Perspectivas do Investimento em Infraestrutura; 2- Perspectivas do Investimento na Indústria; 3- Perspectivas do Investimento na Economia do Conhecimento; e, 4- Perspectivas do Investimento no Brasil: Temas Transversais), o leitor poderá perceber que a estrutura produtiva do Brasil vem passando por profundas transformações.

Sem desejarmos fazer juízo de valor sobre as inferências extraídas pelos autores deste operoso empreendimento, o Projeto PIB constitui um acervo valioso e importante de informações acerca da estrutura produtiva do nosso país! Portanto, antes de opinar, vamos às informações!

Se sua empresa, organização ou instituição deseja saber sobre a estrutura produtiva do Brasil, fique a vontade para nos contatar!

fig01 11

Creativante 2017 - Todos os direitos reservados