Funcionalidades de redes sociais em sistemas de gestão empresarial

11 13

Na semana que passou o editor desta newsletter teve a oportunidade de ser o examinador externo da banca de defesa de uma dissertação (intitulada “Inserindo funcionalidades de redes sociais em sistemas de gestão empresarial”) do Mestrado Profissional em Ciência da Computação do Centro de Informática – CIn da UFPE. A dissertação foi competentemente defendida por Bruno Pimentel de Santana, que é técnico da empresa pernambucana PROCENGE, e foi orientado em sua pós-graduação pela Profa. Dra. Carina Alves (a banca foi também composta pela Profa. Dra. Patrícia Tedesco, como examinadora interna).

O principal objetivo desta dissertação foi o de investigar como funcionalidades de colaboração (próprias de redes sociais) podem ser inseridas nos ERPs – Enterprise Resource Planning (sistemas de informação para gestão empresarial) para que estes evoluam para um perfil mais social. A pesquisa para o trabalho realizou uma análise de competidores que identificou como os principais fornecedores de ERPs estão trabalhando em relação à inclusão de funcionalidades sociais em seus sistemas. Observou-se que os competidores analisados optaram por criar suas próprias redes sociais corporativas, independentes, mas integradas aos sistemas de gestão.

Adicionalmente, foram aplicados questionários numa amostra de clientes e colaboradores da própria PROCENGE (uma das empresas líderes nacionais no fornecimento de sistema de informação para gestão empresarial), para avaliação dos benefícios da inclusão de funcionalidades sociais no sistema por ela desenvolvido e identificação de funcionalidades sociais mais relevantes.

A partir de uma metodologia de avaliação, foram especificados e avaliados requisitos funcionais e protótipos que serviram de proposta para evolução do sistema. Desta forma, a dissertação apresentou as contribuições teóricas e práticas para área de desenvolvimento de ERPs. Em termos substantivos, a dissertação evidenciou que: a) do ponto de vista teórico, os trabalhos acadêmicos sobre ERPs têm tratado frequentemente das falhas durante as implantações destes sistemas nas organizações, e que o trabalho de pesquisa visou contribuir com uma proposta de evolução dos mesmos; e b) em relação à contribuição prática, os resultados apresentados na dissertação podem ser diretamente aplicados em projetos de desenvolvimento de ERPs com funcionalidades sociais.

Como manifestamos em nossa participação na banca, este é um trabalho de extrema relevância para as empresas (tanto as que produzem sistemas de informação empresariais quanto para seus clientes) nos dias atuais. De acordo com o documento “The Social Economy: Unlocking value and productivity through social technologies”, produzido (e publicado em julho de 2012) pelo McKinsey Global Insitute, vinculado à empresa de consultoria McKinsey:

Enquanto as tecnologias sociais foram assumidas pela cultura popular e estão sendo adotadas em várias indústrias, nós achamos que os negócios apenas começaram a entender como criar valor com estas novas ferramentas. A pesquisa aqui apresentada tenta quantificar este valor, e que nós achamos está potencialmente numa escala transformadora (i.e., mais de US$ 1 trilhão de anualmente) e pode ser realizado ao longo da cadeia de valor, não somente nas aplicações ao consumidor final que tem estado na fronteira da adoção. Mais importante, nós achamos que as tecnologias sociais, quando usadas no interior das empresas e entre elas, têm o potencial para elevar a produtividade dos trabalhadores do conhecimento altamente capacitados que são críticos para o desempenho e o crescimento no século 21 da ordem de 20 a 25%”.

De forma complementar, à medida que as redes sociais, ou as mídias sociais, explodem em popularidade entre consumidores, as empresas buscam transformar seus negócios com estas tecnologias sociais e também capitalizar em seu valor financeiro, como defendido no artigo intitulado “Social Media and Firm Equity Value”, publicado por Xueming Luo e Jie Zhang (ambos da University of Texas at Arlington) e Wenjing Duan (The George Washington University) na revista Information Systems Research - ISR, March 2013, 24 (1).

Em resumo, estão de parabéns Bruno Pimentel de Santana e sua orientadora, Profa. Carina Alves, pela excelente e relevante contribuição acadêmica, e a PROCENGE pela possibilidade de adquirir mais um ativo para transformá-lo em vantagem competitiva no seu mercado!

Se sua empresa, organização ou instituição deseja saber mais sobre tecnologias sociais, fique a vontade para nos contatar!

Creativante 2017 - Todos os direitos reservados