Teoria do Empreendedorismo pelo Transbordamento de Conhecimento

09 14Sim, o empreendedorismo tem teoria! A área de empreendedorismo é tratada na academia como o exame de como, por quem, e com que efeitos oportunidades para criar bens e serviços são descobertas, avaliadas e exploradas. Consequentemente, a área envolve o estudo das fontes de oportunidades; os processos de descoberta, avaliação, e exploração de oportunidades, e o conjunto de indivíduos que descobrem, avaliam e as exploram.

Nesta estrutura, a atividade empreendedora depende da interação entre as características das oportunidades e das características das pessoas que as exploram. Mas, de onde vêm as oportunidades? Esta é uma das muitas questões que levaram à emergência da ‘Knowledge Spillover Theory of Entrepreneurship’ (Teoria do Empreendedorismo pelo Transbordamento de Conhecimento), desenvolvida pelos economistas Zoltan J. Acs, David B. Audretsch, Pontus Braunerhjelm, Bo Carlsson and E. E. Lehamnn.

Acs et al. (2006) (publicado posteriormente como Acs. et. al., 2009) ao responderem à questão acima argumentam que enquanto as causas que geram oportunidades são inexplicadas na literatura do empreendedorismo, uma geração de acadêmicos gastou a melhor parte de metade de um século tentando apontar a relação entre o empreendedor, o desenvolvimento de produto e a inovação tecnológica. Estes autores observam que hoje nós sabemos que o conjunto de oportunidades tecnológicas é endogenamente criado por investimentos em conhecimento novo (Wash, 2006). No entanto, Acs et al. (2006) argumentam que não somente conhecimento novo contribui para mudança tecnológica, mas ele cria oportunidades para serem usadas por terceiros, frequentemente em novos negócios.

Deste modo, a criação de conhecimento novo dá margem a novas oportunidades através de ‘knowledge spillovers’ (transbordamentos de conhecimento); portanto, a atividade empreendedora não envolve simplesmente a arbitragem de oportunidades, mas também a exploração de novas oportunidades criadas, mas não apropriadas pelas organizações incumbentes.

Ao fazer isto, Acs et al. (2006) desenvolveram uma teoria que ‘bridges the gap’ (preenche o hiato) entre a literatura subjetiva de empreendedorismo e a literatura objetiva das fontes de oportunidades ao mudar a unidade de análise das organizações (empresas, universidades e laboratórios de pesquisa) que criam novo conhecimento endogenamente, para agentes econômicos que tomam posse dos ‘transbordamentos de conhecimento’.

De acordo com os autores desta teoria, ela se baseia no trabalho do economista austríaco Joseph Schumpeter (1911 [1934]), que reconheceu a importância do empreendedor em explorar oportunidades, mas não prestou atenção ao aspecto ‘de onde as oportunidades surgem’, e no trabalho do economista americano Paul Romer (1990), que reconheceu e modelou a importância da mudança técnica endógena e o crescimento econômico de longo prazo (Romer, 1986), mas ignorou o ‘empreendedor’.

Este modelo teórico é um em que inovações em novos produtos podem vir tanto de empresas incumbentes ou de empresas emergentes (startups). Seus autores observam nós podemos pensar neste modelo em empresas incumbentes como sendo aquelas que se baseiam em inovação incremental (a partir do fluxo de conhecimento), tais como melhorias de produto. Já as startups, com acesso ao talento empreendedor e aos ‘transbordamentos’ intra-temporais (a partir do estoque de conhecimento) são mais prováveis de se engajarem em inovações radicais que levam a novas indústrias ou substitui produtos existentes (para uma leitura da distinção entre inovação incremental e inovação radical, ver a newsletter de 26-02-2012).

Eis aí uma teoria que fundamenta algo que nós, de alguma forma, já sabíamos: Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) são importantes, mas a forma como este conhecimento novo é explorado é também de suma importância. Logo, o “xis” da questão é fazer P&D mas saber como obter sucesso explorando este conhecimento novo!

Se sua empresa, organização ou instituição deseja saber mais sobre a Teoria do Empreendedorismo pelo Transbordamento de Conhecimento, fique a vontade para nos contatar!

 

Referências:

Acs, Zoltan J., David B. Audretsch, Pontus Braunerhjelm & Bo Carlsson (2006). The Knowledge Spillover Theory of Entrepreneurship. Royal Institute of Technology, CESIS - Centre of Excellence for Science and Innovation Studies. Department of Transport and Economics. Stockholm. Working Paper Series (Paper No. 77). November.

Acs, Zoltan J., Pontus Braunerhjelm, David B. Audretsch & Bo Carlsson (2009). The Knowledge Spillover Theory of Entrepreneurship. Small Business Economics. 32:15-30.

Romer, Paul.M. (1986). Increasing Returns and Long-Run Growth. Journal of Political Economy, 94 (5), 1002-1037.

Romer, Paul. M. (1990). Endogenous Technological Change. Journal of Political Economy, 98 (5, Part 2), S71-S102.

Schumpeter, Joseph. A. (1911[1934]). The Theory of Economic Development. Cambridge, Mass: Harvard University Press.

Warsh, David (2006). Knowledge and the Wealth of Nations. New York: W.W. Norton & Company.

Creativante 2017 - Todos os direitos reservados