Por que a IBM comprou a Red Hat?

41 18Esta newsletter faz parte de uma série da Creativante que se indaga sobre as razões estratégicas pelas quais uma empresa de TIC adquire outra (ver a de 19/06/2016, que trata da compra da LinkedIn pela Microsoft ; 25/03/2018, sobre a compra da MuleSoft pela Salesforce; e 10/06/2018, sobre a compra do GitHub pela Microsoft).

Há poucos dias a IBM comprou a Red Hat, empresa pioneira em software livre por US$ 34 bilhões, na maior aquisição da história de 107 anos da companhia veterana de TI dos EUA. No comunicado à imprensa a Red Hat anunciou que as empresas iriam expandir a já existente colaboração, tendo como alvo o setor de cloud híbrida através de tecnologia e serviços de integração. Ao estender tal colaboração, as empresas estão juntando duas plataformas líderes de aplicações empresariais (a plataforma de containers Red Hat OpenShift e a IBM Cloud Private), e adicionando poder às soluções de software e de cloud da IBM.

A principal razão por trás dessa compra está relacionada com a disputa pelo promissor mercado de cloud, como já registramos aqui nas newsletters de 19/06/2016, 18/09/2016, 25/09/2016, e dizem também respeito às aquisições das empresas acima relatadas. Em se tratando da IBM, a questão era mais dramática, uma vez que a empresa vinha sofrendo quedas nas vendas de sua tecnologia tradicional, ao mesmo tempo em que buscava novas áreas de crescimento, como as de inteligência artificial (IA) e segurança.

A IBM finalmente reconheceu que não iria obter os resultados de crescimento em vendas com as tecnologias emergentes, e que necessitava de algo que se traduzisse mais diretamente em vendas. A Red Hat era o engenho de vendas que ela estava precisando. De acordo com a Synergy Research, a IBM detinha 7% do mercado de infraestrutura de cloud, que compreende infrastructure as a service e platform as a service, e hosted private cloud, como pode ser visto na Figura 1 à frente.

Mas por que a Red Hat e não outra empresa? A resposta a esta questão está relacionada ao novo mercado de Cloud Native Applications – CNA, ou seja, de aplicações que já nascem na cloud, ou têm como origem o complexo ambiente de negócios da cloud. CNA é um termo usado para descrever ambientes baseados em containers, empregados como microsserviços e gerenciados em infraestruturas elásticas através de processos de DevOps e de Continuous Delivery - CD workflows. Aplicações CNA focam em modularidades de arquiteturas, com acoplamento frouxo, e independência dos seus serviços. Cada microsserviço implementa uma capacidade de negócio, roda em seus próprios processos, e se comunica via APIs – application programming interfaces ou por mensagens.

A Red Hat vem se mostrando como uma empresa líder neste mercado de CNA, com sua plataforma OpenShift, uma ferramenta de gerenciamento para infraestrutura virtual privada de cloud. A OpenShift é uma container application platform que traz a tecnologia Docker (que fornece containers – um container é uma unidade padrão de software que empacota código e todas suas dependências, de modo que a aplicação rode rápida e confiavelmente de um ambiente computacional para outro) e Kubernetes (sistema open-source para automação, emprego, escalagem, e gestão de aplicações containerizadas) para as empresas.

Neste sentido, ao trazer para seu contexto de soluções toda a expertise da Red Hat em CNA, a IBM aspira uma robusta inserção no competitivo mercado de cloud a partir da complementaridade dessas novas ferramentas àquelas que ela já vinha ofertando ao mercado. A questão agora é perceber como os demais players do mercado de cloud irão reagir a este passo da “Big Blue”!

Se sua empresa, organização ou instituição deseja saber mais sobre os fundamentos das aquisições de grandes empresas de TICs, não hesite em nos contatar!

 

l41F1

 

banner

Creativante 2017 - Todos os direitos reservados