The Modelling Business (O Negócio dos Modelos de Negócios)

13 19Antes de tudo, devemos esclarecer que o título desta newsletter não está relacionado com a “indústria dos modelos” - ou da fashion industry (indústria da moda), mas sim com a recente profusão do mercado para “modelar negócios”. O termo “Modelo de Negócio” tem sido historicamente entendido de diversas formas. Peter Drucker (considerado o “fundador da Administração Moderna”) o definiu como sendo “hipóteses sobre o que uma companhia é paga para fazer”. Joan Magretta (Professora da Harvard Business School) afirma que modelos de negócios são “histórias que explicam como empresas funcionam”.

Segundo Magretta, o conceito de modelo de negócio passou a ter amplo uso com o advento do computador pessoal e do spreadsheet (planilha), que permitiram que vários componentes do negócio fossem testados, e, modelados. Antes disso, modelos de negócios de sucesso eram criados mais por acidente do que por projeto ou previsão, e se tornou claro depois daquele fato.

Mas quem consagrou internacionalmente o termo modelo de negócio como “um conjunto de suposições ou hipóteses” foi Alex Osterwalder (um suíço teórico dos negócios), que desenvolveu o que é de fato o mais compreensivo template (molde) no qual se constroem aquelas hipóteses. Em seu consagrado livro intitulado “Business Model Generation: A Handbook for Visionaries, Game Changers, and Challengers”, de 2010, ele apresenta as nove partes do seu “business model canvas” (tela de modelo de negócio), que são essencialmente um modo organizado para apresentar as suposições de um negócio, não somente sobre os recursos chave e atividades chave, mas também a proposição de valor, os relacionamentos dos consumidores, canais, segmentos de consumidores, estruturas de custo, fluxos de receitas, e para comparar um modelo com outros.

Em 2011 Eric Ries, precursor do movimento “lean startup”, publicou o seu hoje também famoso livro intitulado “The Lean Startup”. Logo em seguida, Ash Maurya publicou, em 2012, o seu livro intitulado “Running Lean: Iterate From Plan A to a Plan That Works”. Neste livro Maurya faz uma sutil, mas importante, alteração no canvas de Osterwalder, nominando-o por “lean canvas”, evidenciando quatro conceitos relevantes, principalmente para startups: o problema, a solução, a proposição única de valor, e a “vantagem injusta”. Em 2013, Steve Blank, outro impulsionador do movimento “lean startup”, publicou o seu livro intitulado “The Four Steps to The Epiphany: Successful Strategies for Products that Win”, apresentando sua proposição de “customer development”.

A partir daí, com o sucesso do movimento “lean startup”, uma série de livros e artigos emergiu tentando dar conta da importância da geração, ou da reinvenção, de modelos de negócios, e do impacto desses modelos no sucesso dos negócios. Uma pequena lista de livros pode ser aqui representada pelos seguintes títulos:

1-      The Business Model Navigator: 55 Models That Will Revolutionise Your Business” (2014);

2-      Leading Digital: Turning Technology into Business Transformation” (2014);

3-      The Digital Transformation Playbook: Rethink Your Business for the Digital Age” (2016);

4-      The Business Model Book: Design, build and adapt business ideas that drive business growth” (2017);

5-      The Business Model: How to Develop New Products, Create Market Value and Make the Competition Irrelevant” (2017);

6-      Business Models for Teams: See How Your Organization Really Works and How Each Person Fits In” (2017);

7-      Reinvent Your Business Model: How to Seize the White Space for Transformative Growth” (2018);

8-      What´s Your Digital Business Model?: Six Questions to Help You Build the Next-Generation Enterprise” (2018);

9-      Driving Digital Strategy: A Guide tyo Reimagining Your Business” (2018);

10-  The Business Models Handbook: Templates, Theory and Case Studies” (2019).

Ainda é muito cedo para se afirmar, de forma substantiva, se essa forma mais estruturada de design/projetar negócios, é o determinante chave no sucesso dos negócios modelados. Afinal, a interseção do conceito de modelo de negócio com os conceitos de estratégia de negócio, de estrutura do negócio, de estratégia de inovação, e de ambiente de negócio, embaça uma leitura mais definitiva sobre quem determina o quê. O que não resta mais dúvida, é que a modelagem dos negócios nesta nova era digital veio para ficar, e quem não dominar essa nova ferramenta terá muita dificuldade para obter sucesso!

Se sua empresa. Organização ou instituição deseja saber mais sobre modelos de negócios, fique à vontade para nos contatar!

 

banner

Creativante 2017 - Todos os direitos reservados